Presencial LEFV/CLANBASE e as marcas

Presencial LEFV/CLANBASE e as marcas

O presencial da LEFV sofre com o pragmatismo indevidamente importado do futebol de campo para o futebol virtual do FIFA.

Em reportagem do Sportv – segundo alguns , tendenciosamente liberada para criar problemas, onde informava ao público que a Camisa 12 ia participar de evento no Morumbi.

O problema é que a diretoria do SPFC ao saber que equipes que tinham conexão com clubes reais , tais como Camisa 12 do Corinthians , Furacão eSports (Atlético-PR) e outros foram vetados de usar a sua marca no estabelecimento. Habitualmente as diretorias de clubes do futebol real buscam cizânias de todos os tipos para justificar a própria mediocridade.

Segundo informações, uma diretora do São Paulo soube da matéria e gerou todo o problema alegando que poderia haver depredação e brigas no local.


Antes de qualquer evento tenha um planejamento em mãos.O planejamento evita este desgaste desnecessário. Existe farta literatura sobre promoção de eventos e marketing.

A organizadora pode argumentar que os públicos são diferentes mas nada impedirá os problemas mas excetua-se que caso haja um planejamento de crise e o que poderá ocorrer poderá ser inibido ou evitado ou punido.

O esporte eletrônico cresce com um público fidedigno e consideravelmente diferenciado do público de estádios de futebol e telespectadores. Eu desconheço problemas envolvendo eSports no Brasil.

O evento acontecerá neste fim de semana em São Paulo, no camarote Unyco e terá o presencial da modalidade proclubs – um modo onde 11 jogadores controlam um time e cada um com o seu jogador, com o jogo FIFA da EA Sports.

O evento ocorrerá das 08 da manhã até às 22 horas e o s grupos ficaram definidos desta forma